Monstros

Monstros

O nome do filme não chama a atenção. O que chama a atenção é a frase “Depois de seis anos, eles não são mais alienígenas. Eles são locais.” Legal! Será este um novo Distrito 9?

A trama é boa: seis anos atrás a NASA descobriu uma possibilidade de vida alienígena, e mandou uma sonda pra pegar amostras. Mas, na volta, ao reentrar na atmosfera terrestre, a sonda caiu perto da fronteira entre os EUA e o México. Uma grande área foi então posta sob quarentena, classificada como “zona infectada”. Neste cenário, um jornalista americano tenta acompanhar a filha do seu chefe para fora do México, de volta aos EUA.

A produção do filme foi muito modesta – o orçamento era de apenas 15 mil dólares! Boa parte das cenas foi feita apenas com a presença do casal de atores principais (Whitney Able e Scoot McNairy), o diretor Gareth Edwards e mais um técnico. As locações eram lugares “de verdade”, e os figurantes eram simplesmente pessoas locais.

Os efeitos especiais são ótimos, nem parece uma produção de baixo orçamento. É impressionante o que é possível ser feito hoje em dia com um computador e muito talento! Aliás, não são só os efeitos, também vemos muitos cenários destruídos, parece que estamos num pós guerra. Fiquei curioso de saber se algo estava realmente lá…

O argumento do filme lembra um Distrito 9 misturado com Cloverfield. Mas não espere muita ação, o filme é lento, tudo muito contemplativo, mesmo quando finalmente aparecem os enormes alienígenas. Acho que o foco maior foi no relacionamento entre os dois.

E aí acho que o filme falhou um pouco. Não só o casal não me convenceu muito, como acho que seria mais interessante explorar os tais monstros (que parecem uma espécie de polvo ou água-viva gigante, mas que andam em terra), ou, melhor ainda, as pessoas sendo atacadas pelos monstros.

E agora falo a minha maior crítica ao filme: precisava ter o nome “Monstros”? Quem vai pensar numa trama de um casal atravessando uma crise com alienígenas ao ler um título “Monstros”? Poxa, tinham muitos nomes bem melhores por aí…

Mesmo assim, Mosntros vale o ingresso. Vale, nem se for só pra ver que é possível se fazer um bom filme quase sem dinheiro. Não sei se vai ser lançado nos cinemas, mas ainda rolam sessões amanhã e sábado no Festival do Rio!

Anúncios

2 pensamentos sobre “Monstros

  1. Eduardo Pinho 4 outubro, 2010 às 6:01 am Reply

    Salve, Helvécio! Eu disse que ia entrar aqui, né? 🙂

    Então, o Gareth explicou que o orçamento na verdade foi superior a 100.000 dólares. Os 15.000 foram os gastos com equipamento. Mas sim, apenas duas pessoas foram remuneradas no filme, os protagonistas. O senhor que vendia os tickets para os barcos e que se saiu divinamente… não conhecia o diretor até 5 minutos antes de começar a filmar. Muito improviso e apenas 4 computadores domiciliares fazendo os CGs, que não ficaram nada ruins.

    Enfim, o filme reamente vale a pena.

    Sobre os efeitos nos cenários…

    No começo, muito CGI nos takes mexicanos (ele usou photoshop e 3D MAx pacas…). As últimas tomadas, em território americano, foram em locação real após a passagem de um tufão (sul dos EUA). Ele foi lá, filmou e só teve que apagar as pessoas, carros e outros elementos que fossem descaracterizar o abandono da área.

  2. […] quando o orçamento é baixo, mostram poucos detalhes das criaturas – no bom filme Monstros, os bicharocos só aparecem no fim. E isso porque nem estou falando das belíssimas paisagens […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: