Reféns

Crítica – Reféns

Confesso que já fui fã do Joel Schumacher. Nos anos 80, seu currículo era muito bom, com filmes como O Primeiro Ano do Resto das Nossas Vidas, Linha Mortal e Garotos Perdidos. Mas parece que depois dos dos lamentáveis Batman (1995 e 1997), ele nunca mais acertou a mão. Este Reféns é mais uma prova disso.

Um bem sucedido negociador de diamantes mora com a esposa e a filha adolescente em uma mansão e tem um carro esporte conversível. Mal sabe ele que bandidos invadirão sua casa atrás do seu dinheiro.

Nem sei dizer exatamente qual é o problema aqui. O filme simplesmente não engrena. Não sei se é o roteiro ruim ou as atuações fracas, mas o resultado deixa a desejar.

O roteiro, assinado pelo estreante Karl Gajdusek, vai direto ao assalto. Isso pode dar agilidade à trama, mas causa um problema: não há nada que nos faça ter simpatia por Kyle, o arrogante personagem de Nicolas Cage. Se não há conexão com o personagem, não temos vontade de torcer por ele enquanto ele enfrenta os bandidos. E ainda tem outro problema, o roteiro traz um monte de reviravoltas, e nem todas são coerentes. E a falta de coerência também atinge a construção de alguns personagens.

Schumacher conseguiu dois nomes de peso para o elenco. O problema é que Nicolas Cage há tempos também passa por uma fase ruim na carreira – é só a gente se lembrar dos seus últimos filmes, como Fúria Sobre Rodas e Caça às Bruxas. Seu Kyle não é tão caricato como tem sido comum, mas está longe de ser uma boa interpretação. E aí sobra pra Nicole Kidman, grande atriz, mas que não faz milagre com um roteiro fraco nas mãos. Ainda no elenco, Cam Gigandet, Liana Liberato e Ben Mendelsohn.

Tem crítico por aí dizendo que Reféns é o pior filme do ano. Discordo. Não que seja bom, mas é que tem coisa pior por aí – por exemplo, 11-11-11, post de quatro dias atrás. Mas, mesmo não sendo “o pior filme do ano”, Reféns nem vale a pena.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Reféns

  1. Sr.Gabriel 22 novembro, 2011 às 11:08 pm Reply

    Heu,

    Vejo amanhã por causa da sessão de 2 reais do cinemark e, possivelmente, Dream House até quinta.

    De antemão, assim como você, ainda curto algumas coisas do Schumacher da década de 80.

    Só discordaria no seguinte: após os Batmans ele fez os bons Tigerland (2000) e Por um Fio (2003).

    • Helvecio 23 novembro, 2011 às 10:19 am Reply

      Gostei de Por um Fio, mas não achei Tigerland grandes coisas…

  2. Sr.Gabriel 23 novembro, 2011 às 4:56 pm Reply

    Heu,

    Acabei de sair da sala. De fato, o filme é muito fraco.

    Em parte, pelo seu roteiro óbvio, mal elaborado e que busca dar um “up” no argumento com reviravoltas bizarras. Também culpo as péssimas atuações de todo o elenco, tirando a Liana Liberato (Avery Miller).

    Aquelas cenas histéricas pastelões de Nicolas e Cage e Nicole Kidman são medonhas, dignas de pena. Sem contar aqueles flashbacks ridículos da sub-trama entre Kidman e Gigandet.

    Schumacher erra com força quando tenta introduzir elementos “sensuais” numa história tão sem pé nem cabeça.

    Assim como o amigo, também acho que não é o pior de 2011, apesar de todo o esforço por parte. Não vi 11-11-11, mas vi lixos como Sem Saída, A Garota da Capa Vermelhas que são infinitamente piores do que a tosca produção do Schumacher.

    Em suma, é triste dizer que os seus acertos parecem mais tiro no escuro do que qualquer outra coisa.

    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: