Anônimo

Crítica – Anônimo

Um filme de época, falando sobre uma teoria da conspiração envolvendo William Shakespeare. Dirigido por Roland Emmerich? Como assim???

Anônimo traz uma teoria interessante: William Shakespeare, o maior escritor da língua inglesa, não seria o autor de seus textos, e sim o Conde Edward de Vere, que precisou arranjar um “laranja” para divulgar o que escreveu – teoria defendida por gente importante como Mark Twain, Charles Dickens e Sigmund Freud.

A grande interrogação do primeiro parágrafo é porque Anônimo (Anonymous, no original) é diferente de tudo o que o diretor já fez até hoje. Emmerich se tornou “o especialista” em cinema catástrofe na Hollywood contemporânea. É só darmos uma olhada na sua carreira: Independence Day, 2012, O Dia Depois de Amanhã, Godzilla… Mesmo quando o cara não fazia filmes catástrofe, seu currículo continuava coerente, com títulos como Soldado Universal, Stargate e 10.000 AC.

Bem, não é a primeira vez que um diretor se aventura em uma área diferente da sua “zona de conforto” – me lembro logo de dois exemplos: Por Amor, um drama tendo baseball como pano de fundo, dirigido por Sam Raimi (Evil Dead, Homem Aranha); e Música do Coração, um drama sobre uma professora de violino interpretada por Meryl Streep, dirigido por Wes Craven (A Hora do Pesadelo, Pânico). O problema é constatar que o cara é melhor na área que ele está acostumado a trabalhar.

Muita gente por aí odeia o Roland Emmerich. Não é o meu caso. Me divirto com seus filmes absurdos. E isso foi um problema aqui – não achei Anônimo nada divertido. O filme não é ruim, mas também não é bom. A trama é muito confusa, principalmente no início, com atores diferentes para cada papel. Isso aliado a um desenvolvimento lento faz o filme se tornar monótono e desinteressante.

De positivo, podemos destacar a cuidadosa reconstituição de época – o filme chegou a ser indicado ao Oscar de melhor figurino!

O elenco conta com alguns nomes mais ou menos conhecidos, como Vanessa Redgrave, Joely Richardson, David Thewlis, Rhys Ifans, Rafe Spall, Jamie Campbell Bower e Derek Jacobi. Ninguém se destaca, mas pelo menos ninguém atrapalha.

No fim, fica a vontade de mandar um recado: “Sr. Emmerich, volte a destruir o mundo! É mais divertido do que ver a destruição da reputação de uma pessoa!”

Anúncios

Marcado:, , , , , , , , ,

Um pensamento sobre “Anônimo

  1. DanielFGS 24 março, 2012 às 10:44 am Reply

    Que pena,vc começou tão bem a critica pensei que vc ia falar de um filme bom.Pena mesmo com um enredo Desses,Roland Emmerich perdeu um ótima oprtunidade,ele devia mesmo voltar a destruir o mundo e ter passado esse roteiro pra outro,mas tudo bem podia ser pior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: